Notícias

Estiagem mantém impacto na RMC de Curitiba/PR e afeta bacias dos rios Paraná e Iguaçu

Publicado em 15/06/2021 às 10:23:28

Falta de chuvas já influencia vazão das Cataratas do Iguaçu, que registrou um quinto do volume normal. Na Região Metropolitana de Curitiba situação de impacto continua. Sistema de Abastecimento de Água Integrado está em 51,82%

 

seca

Imagem Ilustrativa

 

O Sistema Nacional de Meteorologia (SNM) emitiu alerta de emergência hídrica, no período de junho a setembro, para a área da Bacia do Rio Paraná, que abrange os estados de Minas Gerais, Goiás, Mato Grosso do Sul, São Paulo e Paraná. É a primeira vez que o órgão emite um alerta desta natureza, e a previsão é consistente com a de outros centros internacionais de análise climática.

Essa estiagem na Bacia do Paraná é mais preocupante para a Região Sudoeste do Estado. As cidades de Pranchita e Santo Antônio do Sudoeste estão com rodízio no sistema de abastecimento de água.

Na Bacia do Iguaçu, a estiagem também é sentida. Nos dias 9 e 10 de junho, a vazão das Cataratas do Iguaçu foi de 308 mil litros de água por segundo, um quinto da vazão considerada normal, que é de 1,5 milhão de litros por segundo. Na região da Ponte da Amizade, entre Foz do Iguaçu e Paraguai, o nível do rio está 8,5 metros abaixo da média dos últimos cinco anos.

Dados do Instituto Nacional de Meteorologia (INMET) mostram que a média histórica de chuvas entre janeiro até o fim de junho é de 1.035,9 milímetros em Foz do Iguaçu.


LEIA TAMBÉM: O ESPECTRO DA CRISE HÍDRICA


No entanto, até o momento, choveu 718 milímetros. Os sistemas de abastecimento de água da Sanepar não têm captação no Rio Iguaçu, mas os números confirmam o impacto da crise hídrica. A falta de chuvas na área de nascente do Iguaçu, que fica em Curitiba, reflete diretamente na vazão das Cataratas na região Oeste.

Reflexos na Região Metropolitana de Curitiba

Na Região Metropolitana de Curitiba o abastecimento de água também sofre os efeitos da estiagem desde 2020, quando foi implantado rodízio no fornecimento. Atualmente, o rodízio segue modelo de 60 horas com água e 36 horas sem água. Na segunda-feira (14), o nível dos reservatórios do Sistema de Abastecimento de Água Integrado de Curitiba e Região Metropolitana está em 51,82%.

“Continuamos monitorando os níveis das barragens e as condições meteorológicas para nossas decisões no abastecimento da Região Metropolitana. Nossa expectativa é que nesta região as chuvas em junho permaneçam na média, o que nos permite manter o rodízio no atual modelo, de 60 por 36 horas”, disse o diretor de Meio Ambiente e Ação Social da Sanepar, Julio Gonchorosky.

Fonte: Agência de Notícias do Paraná.


ÚLTIMAS NOTÍCIAS: GOVERNO PREPARA MP QUE TIRA PODERES DA AGÊNCIA NACIONAL DE ÁGUAS E DO IBAMA PARA EVITAR APAGÃO

ÚLTIMAS NOTÍCIAS: PREFEITURA DE GRAVATAÍ/RS INFORMA SOBRE O APARECIMENTO DAS MACRÓFITAS NO RIO GRAVATAÍ


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *