NOTÍCIAS

Eletrobras pede redução da vazão de água do reservatório de Sobradinho

Medida visa preservar o represa da usina, que sofre com a falta de chuva.
Reservatório deve chegar ao fim de novembro com 4,5% da sua capacidade.

O Ministério de Minas e Energia encaminhou à Casa Civil a análise de um pedido feito pela Chesf, subsidiária da Eletrobras, para reduzir a vazão da Usina Hidrelétrica Sobradinho de 800 metros cúbicos por segundo para 700 metros cúbicos por segundo.

O pedido visa preservar o reservatório da usina, que fica na bacia do Rio São Francisco, na Bahia. A redução da vazão dimui a quantidade de água que sai do reservatório. O encaminhamento foi feito durante reunião do Comitê de Monitoramento do Setor Elétrico (CMSE) nesta quarta-feira (1º), em Brasília.

A falta de chuva na região Nordeste tem preocupado o setor elétrico. Segundo o comitê, mesmo com a redução de vazão, que precisa ser autorizada pela Agência Nacional de Águas (ANA) e pelo Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e de Recursos Naturais Renováveis (Ibama), o reservatório da usina deve chegar no final do mês de novembro com 4,5% da sua capacidade de armazenamento. Sem a redução, o índice deve ficar em 2,7%.

Os reservatórios do Nordeste registram atualmente o mais baixo armazenamento do país. Eles fecharam o mês de agosto com nível médio de 19,2%. A região é a segunda maior produtora de energia do Brasil, atrás apenas das regiões Sudeste/Centro-Oeste, que formam um bloco único e fecharam o mês de agosto com armazenamento médio de 46%.

Já as regiões Sul e Norte apresentavam, no fim do mês passado, nível médio de água de 90,2% e 47,1%, respectivamente.

Apesar da falta de chuvas no Nordeste, o CMSE informou que o risco de deficit de energia em 2016 continua em 0% para as regiões Sudeste/Centro-Oeste e Nordeste, onde estão a maioria das usinas hidrelétricas do Brasil.

Apagões
Durante a reunião, o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) apresentou as primeiras informações sobre o apagão que atingiu as regiões Norte e Nordeste no dia 30 de agosto. A causa da interrupção foi uma queimada de grandes proporções na região das linhas de transmissão que interligam as subestações Miracema e Colinas, em Tocantins.

O ONS também relatou o desligamento de duas linhas de transmissão que levou à interrupção de fornecimento de energia no estado do Rio de Janeiro. Segundo o CMSE, nos dois casos o ONS elaborará um relatório de análise de perturbação, conhecido como RAP, para detalhar as ocorrências e as causas das interrupções no fornecimento de energia.

Mercado livre
Durante a reunião do CMSE, o Ministério de Minas e Energia informou a intenção de realizar uma consulta pública para a expansão do mercado livre de energia. A consulta, informou a nota, tem como objetivo esclarecer o consumidor sobre o funcionamento do mercado livre, de estudar formas de ampliá-lo e de desenvolver ferramentas que permitam a inclusão de todo o mercado atualmente atendido mediante contratação regulada.

Hoje, os consumidores “comuns” de energia elétrica (residências, comércio e indústria de menor porte) são atendidos exclusivamente por concessionárias de distribuição, que têm o monopólio deste serviço na região em que atuam.

Fonte: G1