NOTÍCIAS

Na África do Sul, moradores da Cidade do Cabo ficarão completamente sem água em 100 dias

A metrópole, de 4 milhões de habitantes, ficará sem abastecimento de água doce no dia 21 de abril

cidade-docabo

A Cidade do Cabo, capital legislativa da África do Sul e terceira mais populosa do país, ficará completamente sem água no dia 21 de abril de 2018. A metrópole, de quatro milhões de habitantes, encara a maior seca de sua história. Durante todo o ano de 2016, registrou apenas 200 milímetros de precipitação (para fins de comparação, São Paulo, só no mês de janeiro, registra em média 237 milímetros).

Um site criado para acompanhar a situação das represas indica que na terça-feira (16/1), o nível estava em 28,7%. De acordo com a revista Time, quando os reservatórios atingirem 13,5% da capacidade, em 21 de abril, o fornecimento de água será limitado a hospitais e a serviços essenciais. A prefeitura, com ajuda das forças armadas, passará a fornecer 25 litros de água por dia para cada cidadão – que poderão ser retirados em 200 pontos espalhados pela cidade.

A data é definida de acordo com o consumo diário dos habitantes. As autoridades recomendam que cada pessoa utilize menos de 87 litros de água por dia. Porém, apenas 39% segue a indicação. Assim que os reservatórios ficarem abaixo de 10%, será tecnicamente impossível retirar qualquer quantidade de água das represas.

Usinas de dessalinização

O governo começou a construir usinas de dessalinização de água do mar, mas as duas obras mais adiantadas estão com cerca de 50% concluídas. De acordo com as previsões mais otimistas, elas devem entrar em operação no mês de março.

Outras medidas foram tomadas pelas autoridades. Todas as piscinas públicas foram esvaziadas, a lavagem de carros foi proibida e a pressão da água está tão baixa que residências em locais mais altos já estão sem fornecimento, assim como os últimos andares de prédios. Não é incomum ver nos banheiros públicos placas coladas pedindo aos usuários que só usem a descarga em casos de dejetos sólidos.

Quando as torneiras secarem, será responsabilidade de cada pessoa coletar a água nos pontos de distribuição, incluindo idosos e pessoas com deficiência. Além disso, pessoas de baixa renda também serão afetadas, uma vez que a locomoção até os lugares de reposição será complicada.

Esta é a primeira vez na história recente que uma cidade deste porte, no mundo, chega a 0% de abastecimento. “Ficar sem água em lugares com estrutura de abastecimento tão desenvolvida não é comum”, afirmou Bob Scholes, professor de ecologia da Universidade de Witwatersrand, à Bloomberg. “Eu não conheço nenhum exemplo de concentração populacional do tamanho da Cidade do Cabo que já tenha ficado sem água. Seria catastrófico.”

Fonte: Metrópoles.