NOTÍCIAS

Biomassa ultrapassa as térmicas a gás na geração de energia

Biomassa

A produção de bioeletricidade de biomassa superou a produção das térmicas para a geração de energia atingindo 25,5 mil GWh.

Este valor representa 4,3% do total de energia produzida no país. Os dados foram divulgados pela União da Indústria de Cana-de-Açúcar e Bioenergia (Unica).

Sem contabilizar a parcela da produção de bioeletricidade para o autoconsumo industrial, essa geração inclui as variadas biomassas, como bagaço e palha de cana, biogás, lixívia, resíduos de madeira, dentre outras. A bioeletricidade ocupou a 3ª posição na matriz de oferta de energia à rede em 2022, com um crescimento de 0,5% em relação a 2021, resultando numa oferta que superou a das térmicas a gás, cuja produção para a rede foi de 22,8 GWh em 2022.

Segundo o gerente em Bioeletricidade da Unica, Zilmar Souza, os 25,5 mil GWh ofertados à rede pela bioeletricidade em 2022 foram equivalentes a 26% da produção de energia elétrica pela Usina Itaipu ou a 48% da geração pelo Complexo Belo Monte em 2022.

 


LEIA TAMBÉM: CAVACO DE MADEIRA : UNILEVER USARÁ BIOMASSA EM FÁBRICA PAULISTA


“Um ponto importante é que a geração para a rede, pela fonte biomassa, de forma não intermitente, acompanha principalmente o período de colheita da cana-de-açúcar na região Centro-Sul do país. Dessa forma, acaba coincidindo também com o período seco e crítico no setor elétrico brasileiro, que vai de maio a novembro a cada ano”, explicou Souza. Em 2022, 82% da geração de bioeletricidade para a rede foi ofertada justamente entre maio e novembro.

No ano passado, a geração registrada pelo setor sucroenergético para a rede elétrico foi de 18,4 mil GWh. Embora represente queda de 8,9% na geração em relação a 2021, a oferta de bioeletricidade sucroenergética representou 72% da produção total, seguida pelo licor negro com 20% e pelo biogás com 4%.

NÚMEROS COMPARATIVOS

No período entre 2008-2022, a geração acumulada de bioeletricidade sucroenergética para a rede foi de 238.105 GWh. Essa geração seria suficiente para suprir o consumo de energia elétrica do mundo por quatro dias; da União Europeia por 31 dias; da China por 16 dias; dos Estados Unidos por 22 dias; de Portugal por mais de quatro anos; da Argentina por 2 anos; e do Brasil por quase seis meses.

Fonte: Terra


ÚLTIMAS NOTÍCIAS: PESQUISADORES DE MT DESCOBREM NOVA ESPÉCIE DE FUNGO CAPAZ DE DESCONTAMINAR SOLOS COM MERCÚRIO

ÚLTIMAS NOTÍCIAS:RESERVATÓRIO EQUIVALENTE DA BACIA DO RIO PARAÍBA DO SUL ATINGE MAIOR ARMAZENAMENTO DOS ÚLTIMOS DEZ ANOS

ÚLTIMAS NOTÍCIAS:
ALADYR pede ação imediata sobre mudança climática após desastre no Rio Grande do Sul

ALADYR pede ação imediata sobre mudança climática após desastre no Rio Grande do Sul

Diante do impacto das chuvas no Rio Grande do Sul, que afetaram centenas de milhares, a ALADYR pede aos governos e entidades privadas que acelerem a implementação de políticas de adaptação e mitigação do climática. A organização destaca a importância de atualizar a legislação, promover o reúso de água e adotar inovações como o modelo de “cidade esponja” para enfrentar efetivamente esses desafios iminentes

Continuar lendo »