BIBLIOTECA

Tratamento da água para reúso na lavagem automotiva

Resumo

O objetivo do estudo é a demonstração da viabilidade técnica e parcial econômica de um sistema de tratamento de água de lavagem de veículos para o reuso. Para tanto o levantamento bibliográfico do assunto foi realizado como ferramenta para o desenvolvimento do estudo. Foram realizadas análises químicas e ensaios de “JAR TEST” em amostras coletadas no lava-rápido do Auto Posto Parque Cidade Nova na cidade de Mogi Guaçu, S.P., a fim de comprovar a viabilidade do reuso da água de lavagem de veículos utilizandotratamento simples de “coagulação e filtração”. Os resultados demonstraram ser possível atender a norma estabelecida pela Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (SABESP), que determina as especificações para o reuso de água de lavagem de veículos. O balanço mássico para o contaminante “teor de sólidos dissolvidos” que não teve boa remoção no tratamento foi realizado para determinar os limites máximos de reciclo da água tradada com o objetivo de não ultrapassar limites máximos permitidos, semprejuízo de danos aos veículos durante as lavagens. O balanço permitiu identificar a possibilidade de reutilizar 63% da água, com base nas tarifas cobradas pela SAMAE Mogi Guaçu em 2017, com um sistema de reuso trabalhando neste percentual é possível ter uma economia de 25 m³ de água/mês, em valores, R$325,30/mês (77,41%) na conta de água atual. Ao final recomenda-se a utilização do sistema proposto de reuso de água, que trará benefícios financeiros, qualitativos em relação à água, ambientais e atendimentoa legislação estadual.

Introdução

A água é indispensável para a existência de praticamente todas as atividades do Homem realizadas sobre a Terra, sejam elas urbanas industriais ou agropecuárias. A água é essencial para a ampla existência da vida no Planeta.A baixa disponibilidade de água doce no planeta, 0,04% disponível para consumo em rios e lagos, nos quais grande parte já se encontra poluída (DAE, 2014) e a escassez da mesma em algumas regiões faz com que haja uma preocupação a respeito do uso e consumo desse recurso extremamente importante.

A Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (SABESP, 2004), afirma que o descarte de efluentes industriais e de esgoto urbano sem tratamento, vem comprometendo a qualidade dos mananciais das regiões metropolitanas. Em algumas regiões do Brasil o tratamento de esgotos sanitários já se faz presente, porém ainda em processo de implantação, não atendendo à grande maioria da população e consequentemente não sendo suficiente para a manutenção de padrões mínimos de qualidade dos corpos receptores.

O ”reuso” reduz a demanda sobre os mananciais de águadevido à substituição da água potável e para fins nobres por uma água de qualidade inferior, utilizada para fins menos nobres. Essa prática, atualmente muito discutida e já utilizada em alguns países é baseada no conceito de evitar a de captação dos mananciais, reduzindo o consumo do mesmo. Isto é possível em função da qualidade requerida para um uso específico ser menor. Dessa forma, grandes volumes de água potável podem ser poupados pelo reuso quando se utiliza água de qualidade inferior (geralmente efluentes pós-tratados) para atendimento das finalidades que podem prescindir desse recurso dentro dos padrões de potabilidade.

No Brasil a SABESP está promovendo estudos para venda, via caminhões tanque, dos efluentes tratados por suas estações de tratamento de esgotos para empresas transportadoras ou postos lava-rápido que estejam interessados. Para isto estão sendo estudadas as variáveis de qualidade da água a ser fornecida, de forma que não cause danos aos veículos e operadores dossistemas e também, propicie uma tarifa atrativa aos empresários. Ainda em São Paulo, sabe-se da existência de alguns poucos postos de serviços, lava-rápidos e empresas transportadoras de cargas e de passageiros que possuem sistemas que promovem a recirculação da água utilizada na lavagem de seus veículos. (SABESP, 2004).

Uma das formas de reuso de água que vem ganhando destaque em muitos países é a destinada à lavagem de veículos. Não se pode negar que milhares de L de água potável são desperdiçados nesta prática atualmente. Nos Estados Unidos, Japão e alguns países da Europa, já existem legislação própria para o assunto, regulamentando a instalação dos sistemas de lavagem de veículos, de pequeno ou grande porte, obrigando à instalação de dispositivos de tratamento dos efluentes proveniente destes processos e solicitando a implantação de equipamentos que promovam a recirculação da água utilizada (LEITÃO, 1999).

No sentido de investigar a possibilidade de reuso da água de forma prática, o presente trabalho teve como objetivos analisar os efluentes gerados na lavagem de veículos de um lava rápido, a partir de testes realizados nas amostras, definindo-sea melhor dosagem de coagulante e alcalinizante para obter o melhor grau na remoção de impurezas. Complementa-se o estudo com o balanço de massa para um tratamento de água de reuso, determinando ciclos de concentração prováveis para contaminantes que não são retirados no tratamento e podem prejudicar os veículos, e assim, permitir a proposta de um sistema de tratamento adequado e viável economicamente.

Autores: Ruan Carvalho; Paulo Duarte e Ricardo da Silva Manca.

 

leia-integra