Biblioteca

Estudo comparativo de custos, entre o tijolo de solo-cimento, tijolo de solo-cimento com incorporação de lodo de estação de tratamento de água e o tijolo cerâmico

Publicado em 22/12/2020 às 12:18:20

Resumo

Atualmente, parte do lodo gerado em Estações de Tratamento de Água (ETAs) no Brasil ainda é disposta em aterros sanitários, principalmente nos mananciais superficiais. O interesse no reaproveitamento deste resíduo é devido as legislações ambientais restritivas e custos de transportes elevados. Para a verificação dos possíveis usos, se faz necessário o conhecimento das características do lodo e a viabilidade econômica proposta no processo de reaproveitamento deste resíduo. Este trabalho tem por objetivo avaliar a viabilidade econômica e o volume de lodo incorporado no processo de produção de tijolos ecológicos, tendo como base a elaboração de plantas arquitetônicas de uma residência de baixo padrão de 45m² para realização de um comparativo de custos entre os tijolos solo-cimento convencional, tijolos solo-cimento-lodo e tijolos cerâmicos. Os resultados obtidos no comparativo de custos, demostram que a execução da alvenaria em tijolos solo-cimento convencional trouxe uma economia financeira de 36,93% se comparado com tijolos cerâmicos e ocorreu a redução de 1.100 quilogramas de matéria-prima natural. Quando incorporado lodo de ETA na fabricação de 9.240 tijolos, que corresponde a quantidade necessária para execução das alvenarias da obra em questão, também trouxe economia financeira de 37,13% se comparado com tijolos cerâmicos. Podemos observar que a incorporação do lodo de ETA nos tijolos de solo-cimento para a construção civil, traz resultados financeiros positivos para todas as partes envolvidas. Do ponto de vista sustentável e ecológico, podemos afirmar que a utilização do lodo como matéria prima trará enormes vantagens para a população, garantindo um futuro melhor e cuidando do meio ambiente, que é de fundamental importância para a vida dos seres vivos.

Introdução

O rápido crescimento da população urbana implica, indiscutivelmente, em aumento da demanda de produtos, bens e serviços. Isto leva à necessidade de expansão industrial e ao consequente incremento na geração de resíduos (Porras et. al., 2008).

Neste contexto, pode-se observar que o crescimento econômico e populacional está relacionado diretamente com a produção de resíduos. Com isso, a reciclagem desses se tornam cada vez mais um fator importante, principalmente na área da construção civil.

O setor da construção civil é um dos grandes contribuintes para o aumento do consumo de matérias primas naturais. Novas construções para atender o crescimento urbano, reformas, aumento no número de edifícios corporativos, entre outros, ilustram algumas das demandas de matérias para a construção civil.

Assim como a população aumenta, também temos o aumento do consumo dos recursos naturais. A água, que é um deles, está cada vez mais sendo consumida e, consequentemente, o seu tratamento vem sendo priorizado e desenvolvido em todos os lugares. As Estações de Tratamento de Água (ETA) para que desenvolvam o seu papel de purificação da água, geram resíduos da sua atividade e um deles é o lodo. Estes por sua vez, atualmente são destinados aos aterros de resíduos sólidos, contudo podem ter outros destinos mais nobres.

No dia a dia, as cidades estão em constante crescimento, tanto populacional como industrial, aumentando, assim, o desenvolvimento da cidade, ocasionando na melhora da estrutura para atender a demanda da população.

Em geral, o volume de lodo gerado em ETAs representa 0,2% a 5,0% do volume tratado de água (ANDREOLI et al., 2001), e a quantidade de lodo originária dos decantadores representa cerca de 60% a 95% da quantidade total de resíduos produzidos na ETA, sendo o restante oriundo do processo de filtração. A limpeza dos filtros consome de 4 a 10% do volume de água tratado por dia (Di BERNARDO et al., 1999).

Uma das principais necessidades da população é a água potável que chega em sua residência. Para isso, a água bruta quem vem do rio, passa por diversos processos e são esses que geram essa porcentagem de resíduos citados. Embora a porcentagem citada anteriormente possa ser pequena, se comparada ao enorme volume de água tratada, ocasiona em um número elevado de resíduos.

Os resíduos gerados nos decantadores são classificados como “resíduos sólidos”, segundo a NBR 10004 (ABNT, 2004), e de acordo com M. I. Aguilar e Water Res (2002), o aumento da quantidade de materiais sólidos provenientes do tratamento das águas fluviais é devido ao crescimento populacional e os constantes esforços pelo aumento da qualidade de vida dos seus cidadãos.

Os lodos das ETAs podem ser reaproveitados em alguns materiais da construção civil, conforme alguns estudos já realizados. Estudar a viabilidade de incorporação e reaproveitamento deste resíduo em diferentes áreas da construção civil pode resultar na diminuição do consumo de matéria prima natural.

Apesar dos resíduos gerados nas estações de tratamento seres classificados como resíduos sólidos, no Brasil ainda não existe uma regulamentação específica para o tratamento, manejo ou destino desse resíduo, porém ele deve ser tratado e disposto como tal. Além disso, o lançamento de qualquer efluente em corpos receptores deve obedecer aos padrões especificados na Resolução CONAMA no 357/2005, que dispõe sobre a classificação dos corpos de água e diretrizes ambientais para o seu enquadramento, bem como estabelece as condições e padrões de lançamentos de efluentes (BRASIL, 2005).

Autores: DEYVID RUFATTO DA SILVA E GUSTAVO ROSA.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *