BIBLIOTECA

Tabela Periódica dos Elementos – Atualização IUPAC

Atualização Da Tabela Periódica Dos Elementos

A versão mais recente da Tabela Periódica (datada de 4 de maio de 2022) inclui os mais recentes valores de peso atômico padrão abreviados divulgados pela Comissão IUPAC sobre Abundâncias Isotópicas e Pesos Atômicos (CIAAW), compilados como parte da Tabela de Pesos Atômicos Padrão 2021, do ano 2021. Para elementos que não possuem isótopos com abundância isotópica característica em amostras terrestres naturais, o número de massa do nuclídeo com a meia-vida mais longa confirmada é listado entre colchetes.

Tabela Periódica dos Elementos

Em virtude de seu trabalho em relação aos elementos químicos, a IUPAC pode dispensar uma tabela periódica atualizada. O envolvimento da IUPAC abrange vários aspectos da tabela e dos dados que ela revela, e vários relatórios e recomendações, alguns bastante recentes, atestam essa contribuição.

Em particular, a IUPAC está diretamente envolvida no seguinte:

  • estabelecendo os critérios para a descoberta de um novo elemento
  • definindo a estrutura de um nome e símbolo temporários
  • avaliando reivindicações resultando na validação e atribuição de uma descoberta de elemento
  • coordenando a nomeação de um novo elemento, envolvendo o laboratório de pesquisa e permitindo comentários públicos
  • configurando regras precisas sobre como nomear um novo elemento
  • definindo Grupo 1-18 e nomes coletivos
  • determinando quais elementos pertencem ao Grupo 3
  • revisando regularmente pesos atômicos padrão

1. Critérios para a descoberta de um novo elemento

Avaliar se um elemento foi “descoberto” não é uma tarefa simples. Ao revisar os perfis de descoberta dos elementos transurânicos no início dos anos 90, a IUPAC e a IUPAP (União Internacional de Física Pura e Aplicada) estabeleceram uma série de critérios que devem ser atendidos para que a descoberta de um elemento seja reconhecida. Ver detalhes em PAC 1991, Vol. 63, No. 6, pp. 879-886 ( https://dx.doi.org/10.1351/pac199163060879 ) e PAC 1993, Vol. 65, No. 8, pp. 1757-1814 ( https://dx.doi.org/10.1351/pac199365081757 )

Em novembro de 2018, um relatório provisório SOBRE A DESCOBERTA DE NOVOS ELEMENTOS foi divulgado pela IUPAC/IUPAP. Critérios e diretrizes para estabelecer a prioridade de descoberta de novos elementos potenciais foram apresentados.

2. Nome e símbolo temporários

Embora um elemento possa ter sido reivindicado, antes que a reivindicação seja validada e antes que o elemento seja formalmente nomeado, o elemento tem um nome e símbolo temporários. As recomendações pertinentes que estabelecem essa nomenclatura sistemática foram publicadas em 1978; ver PAC 1979, Vol. 51, No. 2, pp. 381-384; https://dx.doi.org/10.1351/pac197951020381
Como resultado, foi assim que, em março de 2016, o elemento 113 foi chamado de Unúntrio ou, com o símbolo Uut.
A história por trás dos símbolos de três letras é contada em um artigo preparado por Lars Öhrström e Norman Holden e publicado em Chem Int 2016, Vol. 38, No. 2, pp. 4-8; https://dx.doi.org/10.1515/ci-2016-0204

3. Validação e atribuição de uma descoberta de elemento

Reivindicações para a descoberta de novos elementos aparecem de tempos em tempos na literatura científica. A IUPAC, juntamente com a IUPAP, está envolvida na avaliação dessas reivindicações. Como resultado, são divulgados relatórios técnicos da IUPAC que revisam cada referência pertinente e reconhecem o(s) laboratório(s) cujas reivindicações atendem aos critérios acordados.
Em 2016, dois desses relatórios foram divulgados que abrangem os elementos 113, 115, 117 e o elemento 118; Veja PAC 2016, Vol. 88, No. 1-2, pp. 139-153; https://dx.doi.org/10.1515/pac-2015-0502 e PAC 2016, Vol. 88, No. 1-2, pp. 155-160; https://dx.doi.org/10.1515/pac-2015-0501

4. Nomeando novo elemento

Quando a descoberta de um novo elemento for validada e a prioridade para sua descoberta for atribuída, o processo de nomenclatura pode começar. O Laboratório ao qual a descoberta foi atribuída é convidado a propor um nome e símbolo. A IUPAC irá então rever a proposta e, se acordado, após uma revisão pública adicional de 5 meses, formalizará o nome. O exemplo mais recente de tais recomendações foi publicado em 2012 e para os nomes e símbolos dos elementos 114 e 116; Veja PAC 2012, Vol. 84, No. 7, págs. 1669-1672; https://dx.doi.org/10.1351/PAC-REC-11-12-03
Uma breve revisão dos procedimentos atuais é publicada em um artigo recente de John Corish; Veja CI 2016, Vol. 38, No. 2, pp. 9-11; https://dx.doi.org/10.1515/ci-2016-0205
Em 8 de junho de 2016, a IUPAC divulgou os nomes provisórios para os últimos 4 elementos 113, 115, 117 e 118, e, em 28 de novembro de 2016, a IUPAC anunciou os nomes e símbolos aprovados.
Para uma reflexão sobre a experiência de 2016 da nomeação de elementos, ver Chem Int Apr 2017, pp. 30-21, de Jan Reedijk; https://doi.org/10.1515/ci-2017-0222

5. Como nomear um novo elemento

Aqui, novamente, a IUPAC tem um conjunto de diretrizes que descrevem que tipo de nome um elemento pode ter. Tanto a raiz quanto o final deve ser consistente com as recomendações acordadas. As recomendações detalhadas foram publicadas em 2002 e uma revisão publicada em 2016 para melhor acomodar os elementos dos grupos 17 e 18. Ver PAC 2002, Vol. 74, No. 5, pp. 787-791; https://dx.doi.org/10.1351/pac200274050787 e PAC 2016, Vol. 88, nº 4, pp. 401–405 https://dx.doi.org/10.1515/pac-2015-0802 (ou https://iupac.org/project/2015-031-1-200)

6. Grupo 1-18 e nomes coletivos

Desde 1988, a IUPAC recomendou que os grupos (ou seja, colunas) fossem simplesmente numerados de 1 a 18. (PAC 1988, Vol. 60, No. 3, pp 431-436; https://dx.doi.org/10.1351/ pac198860030431)
Lantanídeos ou lantanóides e actinídeos são nomes coletivos também recomendados pela IUPAC. Os lantanídeos compreendem desde o Lantânio (La) até o Lutécio (Lu), e, os actinídeos ou actinoides incluem Actinío (Ac) até o Laurêncio (Lr).

7. Grupo 3

A questão de quais elementos precisamente devem ser colocados no grupo 3 tem sido debatida de tempos em tempos. Um projeto IUPAC foi iniciado recentemente para resolver a questão. O grupo 3 será composto por Escândio (Sc), Ítrio (Y), Lutécio (Lu) e Laurêncio (Lr) ou será composto por Escândio (Sc), Ítrio (Y), Lantânio (La) e Actínio (Ac)?
Fique atento e veja https://iupac.org/project/2015-039-2-200 e CI 2016, Vol. 38, No. 2, pp. 22-23; https://dx.doi.org/10.1515/ci-2016-0213

8. Pesos atômicos padrão

Uma das tarefas da Comissão de Abundâncias Isotópicas e Pesos Atômicos (CIAAW) é revisar periodicamente as determinações de pesos atômicos. O relatório mais recente “Standard Atomic Weights of the Elements 2021” foi publicado no PAC em maio de 2022 (AOP 4 de maio de 2022; https://doi.org/10.1515/pac-2019-0603)

A Comissão foi criada em 1899 (sim, em 1899) e agora está operando sob a Divisão de Química Inorgânica da IUPAC (ver www.ciaaw.org). Também revisa regularmente as composições isotópicas dos elementos; a última compilação também foi publicada no PAC em março de 2016 (PAC 2016, Vol. 88, No. 3, pp. 293–306; https://dx.doi.org/10.1515/pac-2015-0503)

Fonte: Site da IUPAC (União Internacional de Química Pura e Aplicada)
Traduzido e interpretado por: Denise Akemi para o Portal Tratamento de Água