BIBLIOTECA

Reúso de água a partir de efluentes de estações de tratamento de esgotos para irrigação de pastagens na bacia hidrográfica do rio Meia Ponte

Resumo

A Bacia Hidrográfica do Rio Meia Ponte, que abrange 37 municípios, incluindo a capital do estado de Goiás, apresenta grande pressão hídrica, principalmente, nos períodos de estiagem. Desta forma, o reúso de água, a partir do esgoto sanitário como suplemento à irrigação tradicional agrícola, se apresenta como uma prática promissora na redução desses conflitos sobre o uso da água. Assim, neste trabalho, foi avaliado o potencial de reúso de água de Estações de Tratamento de Esgoto (ETE’s) em irrigação de áreas de pastagens da Bacia Hidrográfica do Rio Meia Ponte. A relação entre oferta e demanda das áreas analisadas foi obtida, respectivamente, por meio das vazões das ETE’s disponibilizadas pela Agência Nacional de Águas (ANA) e pelo cálculo da demanda de água na irrigação segundo as instruções do Manual Técnico de Outorga da Secretária do Meio Ambiente e Recursos Hídricos (SEMARH). Em seguida, a qualidade dos esgotos sanitários tratados foi analisada visando ao atendimento às recomendações estabelecidas no INTERÁGUAS (2018). Realizou-se, ainda, o cálculo da estimativa de custo do transporte da água de reúso, adotando-se a metodologia desenvolvida por Araújo etal. (2017). O estudo permitiu a identificação de um atendimento de 100% da demanda de água para o uso na irrigação de pastagens localizadas no raio de 5 km da ETE de Goiânia, bem como se averiguou que o maior desafio para a prática efetiva do reúso é a ausência de regulamentação para a cobrança do uso dos recursos hídricos e de parâmetros de qualidade de água para o reúso de efluentes.

Introdução

A escassez de recursos hídricos é um risco crescente em muitas partes do mundo, agravada pela rápida urbanização e aumento da variabilidade climática. As águas residuárias recicladas ou “reúso de água” é uma maneira promissora de aumentar a disponibilidade de recursos hídricos em áreas de escassez e contribuir para a sustentabilidade desse recurso (GRANT et al., 2012).

Segundo o25º Diagnóstico dos Serviços de Água e Esgotos da Secretaria Nacional de Saneamento(BRASIL,2019), na região Centro Oeste,57,7% da população era atendida pela coleta de esgoto e o índice de tratamento de esgoto era de 56,8%.Esse efluente, após o tratamento, pode ser direcionado a múltiplos propósitos, como irrigação agrícola (TAL, 2006), uso industrial (LEE;TAN, 2016) e recarga de água subterrânea (SLOAN, 2013).

Segundo o Atlas Irrigação da Agência Nacional de Águas (ANA, 2017), com aproximadamente 67% do consumo de água, a agricultura irrigada é o setor responsável pelo maior consumo de água no Brasil. Dessa forma, o reúso de água nas regiões agrícolas é um grande aliado na redução da pressão de corpos hídricos superficiais e subterrâneos, favorecendo a preservação da água disponível para consumo humano e dessedentação animal, além de diminuir o lançamento de efluentes em corpos hídricos (MELOet al., 2020). Esta prática também pode reduzir a demanda por fertilizantes químicos na agricultura, em função das consideráveis concentrações de nutrientes no esgoto sanitário. Tal prática de reúso é conhecida com fertirrigação.

Sabe-se que a pressão hídrica tem acontecido em diversas bacias de mananciais de abastecimento no estado de Goiás, estando a Bacia Hidrográfica do Rio Meia Ponte inserida neste cenário. A Bacia apresenta uma área de drenagem de 12.180 km², compreendendo 37 municípios, dos quais se destaca a capital do estado de Goiás, Goiânia, e representa 3,56% da área territorial do estado (COELHOFILHO, 2015;SEMARH, 2001).

A pluviometria característica no território da Bacia é típica do bioma Cerrado, uma vez que apresenta um período chuvoso, de outubro a abril, e um período seco, de maio a setembro(MARCUZZO et al., 2012).Tais características pluviométricas acarretam variabilidade mensal na disponibilidade de água, com consequente deficiência hídrica no período de estresse e excedência nos demais meses. Assim, ao se analisar o panorama global da referida bacia, com base em diferentes indicadores relacionados às demandas de usos dos recursos hídricos, identificaram-se os graus de pressão sobreos recursos hídricos por sub-bacias. Para a demanda de irrigação, verificou-se que a maioria absoluta das sub-bacias possui um grau de pressão classificado como alto (SEMAD, 2020).

Nesse sentido, o reúso de água a partir do esgoto sanitário na bacia do Rio Meia Ponte se apresenta como uma prática promissora na redução das pressões sobre o uso da água nos períodos de estiagem. Dentre as diversas possibilidades de reúso, a sua aplicação como suplemento àirrigação tradicional agrícola é benéfica em virtude do consumo de água demandado pelo setor agropecuário na bacia em estudo.

Assim, o presente artigo apresenta uma avaliação do potencial do reúso de efluente de água, a partir de efluentes de Estações de Tratamento de Esgoto (ETE’s),em irrigação de áreas de pastagens da Bacia Hidrográfica do Rio Meia Ponte, considerando a demanda de água para irrigação e a disponibilidade e qualidade dos esgotos sanitários tratados.

Autores: Karla Alcione da Silva Cruvinel; Hadrya Alves Maciel; Lhais Alves Maciel; Klaem José da Silva Junior e  Ricardo Franci Gonçalves.

 

leia-integra