BIBLIOTECA

Lodo de estação de tratamento de água como componente para germinação de mudas florestais

Resumo

As Estações de Tratamento de Água transformam a água bruta em água potável retirando as partículas indesejáveis através de processos físicos e químicos, gerando um lodo que pode ser altamente tóxico, com destinação incompatível com as diretrizes da Lei 12.305/2010, que prioriza a possibilidade de redução, reuso e reciclagem. Assim, o presente trabalho teve como objetivo avaliar as os atributos químicos do lodo de ETA e o seu potencial na germinação de sementes de Handroanthus impetiginosus (Mart. Ex) Mattos e de Eucalyptus camaldulensis Dehnh sob diferentes concentrações no substrato. O experimento foi conduzido em casa de vegetação na Universidade Federal de Rondônia, município de Rolim de Moura/RO no período de dezembro de 2018 a fevereiro de 2019. As características físico-químicas do lodo foram avaliadas por empresa particular e o cultivo das espécies das espécies de ipê e eucalipto foi realizado em bandejas de polietileno drenadas com concentrações crescentes de lodo de ETA de 0%; 15%; 30%; 45% e 60% completadas com proporções iguais de solo + areia grossa. O delineamento experimental utilizado foi em blocos casualizados, com cinco tratamentos e quatro repetições cada. Diariamente, foi avaliada a porcentagem de germinação (G%) e após a estabilização da germinação, foram calculados o índice de velocidade de germinação (IVG), tempo médio de germinação (TMG) e velocidade média de germinação (VMG) das sementes. O lodo mostrou-se rico em nutrientes e matéria orgânica, o que pode contribuir com a aeração e retenção de água no substrato, favorecendo a germinação das sementes. Em todos os tratamentos com H. impetiginosus, houve germinação das sementes variando de 12,5% a 90,18%, onde as melhores porcentagens de germinação ocorreram nos tratamentos de maiores concentração de lodo de ETA. Considerando as médias de germinação de sementes, houve diferença significativa no tratamento com 45% de lodo que apresentou os melhores resultados (G% = 90,18%; IVG = 42,15; TMG = 4,40; VMG = 0,224 sementes.dias-1). Em relação ao E. camaldulensis, também houve germinação em todos os tratamentos, variando de 10,71% a 43,75%. Sendo a melhor porcentagem de germinação o tratamento com 15% de lodo (G% = 34,8%) e o tratamento T4 apresentou os melhores valores de IVG (9,32), TMG (4,72) e VMG (0,212 sementes.dias-1). O lodo de ETA apresenta elevadas concentrações de matéria orgânica, macro e micronutriente, portanto, pode contribuir na germinação e crescimento de mudas se for utilizado em concentrações de até 45% de lodo de ETA incorporado a solo e areia.

 

Introdução

O sistema de saneamento básico é formado por um conjunto de ações que visa melhorar e proteger as condições de vida da população. E uma destas ações é permitir que a população tenha acesso ao abastecimento de água potável por meio das Estações de Tratamento de Água (ETA’s). Sendo assim, as ETA’s removem as impurezas da água, por meio de processos de coagulação, floculação, decantação e filtração, e gera um resíduo nos decantadores e filtros chamado de lodo de ETA. Sua composição é bem diversificada, contendo diversos metais e podendo variar de acordo com o tipo de coagulante e produtos auxiliares utilizados no tratamento da água. Devido a sua composição química, trata-se de um resíduo sólido não inerte que necessita de uma destinação final adequada.

Muitas vezes, esse lodo gerado é depositado diretamente nos corpos d’agua, causando grande impacto ao ecossistema devido aos componentes presentes nele. Entretanto, este resíduo é classificado pela NR10004/2004 como um resíduo sólido de Classe II, não tóxico e não inerte. Logo, deve seguir as diretrizes da Política Nacional dos Resíduos Sólidos para destinação final, priorizando a não geração, redução, reutilização e ao tratamento dos resíduos sólidos, bem como a destinação dos rejeitos (BRASIL, 2010).

Sendo assim, é fundamental buscar alternativas economicamente viáveis e ambientalmente aceitáveis para destinação deste resíduo. Devido à elevada concentração de matéria orgânica, macronutrientes e micronutrientes, este resíduo pode contribuir para melhoria estrutural do solo como ajuste de pH, aumento da retenção hídrica e aumento da aeração do solo (TSUTUYA et al., 2001; MACHADO et al., 2004). Desta forma, uma alternativa viável de uso para o lodo de ETA é a utilização na produção de mudas de espécies florestais, tendo em vista que o mesmo apresenta elementos essenciais ao crescimento e desenvolvimento de vegetais (MACHADO, 2004).

A possibilidade de converter o lodo ETA em substrato para produção de mudas florestais para paisagismo, florestamento ou reflorestamento, pode ser uma forma de incentivar viveiristas e sistema público a criar parcerias que contribua com a redução do desmatamento em Rondônia que até o ano de 2017 teve 43,04% de suas florestas desmatadas, o que representou 28,5% de desflorestamento na Amazônia Legal. Entre agosto de 2017 e julho de 2018, Rondônia contribuiu com 16,7% dos 7.900 Km2 de degradação florestal na referida região, posicionando-se como o terceiro estado com maior índice de desmatamento neste período (INPE, 2017; BRASIL, 2018a).

O gênero Handroanthus possui grande potencial germinador em ambientes tóxicos e por isso é indicado para programas de fitorremediação de solos contaminados. Inclusive seu potencial de fitorremediação para a germinação e crescimento em lodo de esgoto já foi constatado (ROCHA, 2018). Além disso, o gênero Handroanthus possui grande potencial paisagístico e madeireiro (LORENZI et al., 2003; SILVA et al., 2018). A madeira do Handroanthus quando serrada pode custar R$ 2.025,00 (dois mil e vinte cinco reais) e a madeira em tora tem custo de R$ 1.800,00 (mil e oitocentos reais) o metro cúbico. Esta ainda apresenta alta resistência mecânica ao ataque de insetos e ao apodrecimento, tendo grande relevância na produção de móveis (CAMPOS FILHO et al., 2015; BRASIL, 2018b).

O gênero Eucalyptus também possui elevada relevância econômica devido ao seu rápido crescimento, capacidade de adaptação a diferentes ambientes e possiblidade de atender aos diversos setores da atividade industrial madeireira. O rápido crescimento natural das plantas do gênero Eucalyptus, associado à alta adaptação dos plantios clonais de diferentes gêneros, tem permitido a atividade florestal em todas as regiões do país, inclusive no estado de Rondônia que é ainda incipiente. Porém, devido à expansão das áreas de grãos no Cone Sul do estado, o município de Vilhena vem ampliando o cultivo desta espécie arbórea como alternativa de lenha para os secadores de grãos ali instalados. Dentre as espécies utilizadas, o Eucalyptus camaldulensis é frequentemente indicado em locais com condições de estresse hídrico e alta temperatura (PRADO et al., 2017).

A utilização da espécie de eucalipto em áreas de contaminação com metais tóxicos é uma das alternativas de grande potencial de fitorremediação em virtude do rápido crescimento, sistema radicular bastante desenvolvido e facilidade de aclimatação. Assim, as espécies de eucalipto podem minimizar os danos ambientais que o excesso de metais pesados causa, proporcionar retorno econômico e melhorias de áreas degradada.

Considerando que estas espécies possuem grande significado e alto potencial econômico, a produção de mudas dessas espécies utilizando o lodo de ETA como substrato é uma alternativa economicamente viável e ambientalmente adequada. Portanto, o objetivo deste trabalho é caracterizar os principais atributos físicoquímicos do lodo de ETA e avaliar a melhor porcentagem deste resíduo para ser utilizado como componente na germinação de Handroathus impetiginosus (Mart. ex DC) Mattos e Eucalyptus camaldulensis Denhn.

Autores: Geremias Dourado da Cunha; Rosalvo Stachiw  e Kenia Michele de Quadros.

 

leia-integra