BIBLIOTECA

‘Preocupante’: ingrediente de herbicida ligado ao câncer encontrado em 80% das amostras de urina dos EUA

Ingrediente Herbicida

Estudo do CDC encontra glifosato em amostras, ingrediente controverso encontrado em herbicidas, incluindo a popular marca Roundup

Mais de 80% das amostras de urina colhidas de crianças e adultos em um estudo de saúde dos EUA continham um produto químico de herbicidas ligado ao câncer, uma descoberta que os cientistas chamaram de “perturbadora” e “preocupante”.

O Relatório de uma unidade dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) constatou que das 2.310 amostras de urina, retiradas de um grupo de americanos destinados a representar a população dos EUA, 1.885 foram atreladas a traços detectáveis de glifosato. Este é o ingrediente ativo em herbicidas vendidos em todo o mundo, incluindo a amplamente utilizada marca Roundup. Quase um terço dos participantes eram crianças de seis a 18 anos.

Acadêmicos e pesquisadores privados vêm observando altos níveis do glifosato de herbicida em análises de amostras de urina humana há anos. Mas o CDC só recentemente começou a examinar a extensão da exposição humana ao glifosato nos EUA, e seu trabalho vem em um momento de crescentes preocupações e controvérsias sobre como os pesticidas em alimentos e água afetam a saúde humana e ambiental.

“Acho que a percepção de que a maioria de nós tenha glifosato em nossa urina seja perturbadora para muitas pessoas”, disse Lianne Sheppard, professora do departamento de ciências ambientais e de saúde ocupacional da Universidade de Washington. Graças à nova pesquisa, “sabemos que uma grande fração da população a tem na urina. Muitas pessoas vão pensar se isso as inclui.” Sheppard foi coautor de uma análise de 2019 que constatou que a exposição ao glifosato aumenta o risco de linfoma não-Hodgkin, e também foi coautor de um artigo científico de 2019 que analisou 19 estudos documentando glifosato na urina humana.

Tanto a quantidade quanto a prevalência de glifosato encontrado na urina humana vêm aumentando constantemente desde a década de 1990, quando a Monsanto Co. introduziu culturas geneticamente modificadas projetadas para serem pulverizadas diretamente com o Roundup, de acordo com uma pesquisa publicada em 2017 por pesquisadores da Faculdade de Medicina da Universidade da Califórnia em San Diego.

Paul Mills, o principal pesquisador do estudo, disse na época que havia “uma necessidade urgente” de um exame minucioso do impacto na saúde humana a partir do glifosato em alimentos que as pessoas comumente consomem.

Mais de 200 milhões de libras de glifosato são usados anualmente por agricultores americanos em seus campos. O herbicida é pulverizado diretamente sobre culturas geneticamente modificadas, como milho e soja, e também sobre culturas não geneticamente modificadas, como trigo e aveia como um dessecante para secar as culturas antes da colheita. Muitos agricultores também o usam em campos antes da estação de cultivo, incluindo produtores de espinafre e produtores de amêndoas. É considerado o herbicida mais utilizado na história.

Resíduos de glifosato foram documentados em uma variedade de alimentos populares feitos com culturas pulverizadas com glifosato, incluindo alimentos para bebês. A principal via de exposição para crianças é através da dieta.

A Monsanto e a empresa que a comprou em 2018, a Bayer, afirmaram que os produtos glifosato e Roundup são seguros, e que os resíduos em alimentos e na urina humana não são um risco para a saúde.

Eles estão em desacordo com muitos pesquisadores e com a Agência Internacional de Pesquisa em Câncer, uma unidade da Organização Mundial da Saúde, que em 2015 classificou o glifosato como um provável cancerígeno humano.

A Agência de Proteção Ambiental dos EUA (EPA) tomou a posição oposta, classificando o glifosato como não provável que seja cancerígeno. Mas no mês passado, um tribunal federal de apelações emitiu um parecer anulando a determinação de segurança da agência e ordenando que a agência desse “mais consideração” a evidências de riscos de glifosato.

“Pessoas de todas as idades devem se preocupar, mas estou particularmente preocupado com as crianças”, disse Phil Landrigan, que trabalhou durante anos no CDC e na EPA e agora dirige o Programa de Saúde Pública Global e o Bem Comum no Boston College.

“As crianças estão mais expostas a pesticidas do que os adultos porque bebem mais água, comem mais comida e respiram mais ar”, disse Landrigan. “Além disso, as crianças têm muitos anos de vida futura quando podem desenvolver doenças com longos períodos de incubação, como o câncer. Isso é particularmente uma preocupação com o herbicida, glifosato.”

Os novos dados do CDC foram divulgados como parte da Pesquisa Nacional de Exame de Saúde e Nutrição (NHANES), pesquisa que normalmente é muito valorizada pelos cientistas.

Cynthia Curl, professora assistente de saúde comunitária e ambiental da Universidade Estadual de Boise, disse ser “obviamente preocupante” que uma grande porcentagem da população dos EUA esteja exposta ao glifosato, mas disse que ainda não está claro como isso se traduz em saúde humana.

 

Traduzido e Interpretado por: Flávio Lemos
Para: Portal Tratamento de Água 

Fonte: The Guardian