BIBLIOTECA

O que é handprint? Conheça a alternativa positiva para empresas e consumidores medirem seus impactos ambientais

Resumo

Handprint (impressão das mãos, em tradução livre) é um indicador que quantifica os impactos positivos (reais e potenciais) que um produto ou solução produzem para o ambiente. De certa maneira, o conceito se contrapõe à já popular “pegada de carbono” (carbon footprint, em inglês) e outros indicadores “negativos”, que medem a quantidade de gases de efeito estufa (GEE) liberados na atmosfera por indivíduos, localidades, produtos, instituições etc.

Introdução

De acordo com o Carbon Handprint Guide, produzido pelo Centro de Pesquisa Tecnológico da Finlândia (VTT), em parceria com a também finlandesa Universidade de Tecnologia de Lappeenranta, enquanto o objetivo de quem contabiliza pegada de carbono é zerar emissões, os impactos positivos que podem ser gerados a partir de handprints são ilimitados:

“Reduzir a própria pegada de carbono não é handprint. Na verdade, o handprint só acontece quando se reduz a pegada de carbono de um outro agente envolvido.”

O termo é uma novidade que ainda não tem uma versão aportuguesada e sempre é calculado em comparação ao uso de produtos ou soluções convencionais.

Por exemplo: um estudo finlandês, publicado em 2019, demonstrou que se um veículo de logística em Helsinque trocasse o diesel convencional por diesel renovável (feito a partir “de óleos vegetais, de gorduras animais, de microorganismos e resíduos como óleo de cozinha usado”, como define o Instituto Brasileiro de Petróleo e Gás) reduziria suas emissões anuais de CO2 em 21 toneladas.

Obviamente, uma frota de veículos adotando o mesmo combustível renovável multiplicaria a contribuição ao ambiente.

Os autores finalizam o artigo propondo que “abordar os handprints é válido para empresas e organizações para quantificar e comunicar o benefícios ambientais de produtos, serviços ou tecnologias que oferecem a seus clientes.”

E complementam propondo handprints para outras medidas de impacto socioambientais:

“Até aqui, os handprints têm servido para medir a redução nas emissões de GEEs, mas o futuro é promissor para avaliar outros impactos ambientais, como o uso da água. Além disso, o conceito pode se estender para além da sustentabilidade ambiental, considerando handprints econômicos e sociais.”

Além de calcular o impacto ambiental positivo que o usuário gera, os handprints também mensuram outros benefícios que a solução ou produto podem trazer para a indústria de que fazem parte, caso sejam adotados no lugar de seus equivalentes convencionais. Um bom exemplo disso vem de um artigo publicado por pesquisadores nos EUA e na Alemanha no final de 2021.

O paper aponta o handprint (neste caso, o potencial de emissões de carbono evitadas) caso um fabricante de leite adotasse uma embalagem mais ecológica. Quatro cenários foram projetados, considerando a adesão de empresas e consumidores:

1. Um fabricante adota embalagens ecológicas, que emitem menos carbono em sua confecção:
    Redução de 5,3% nas emissões de GEE

2. O restante do mercado adota a solução mais ecológica (ainda que isso aumente a pegada de carbono do fabricante das embalagens):
    Redução de 10% nas emissões de GEE

3. Consumidores do fabricante aderem à inovação mais ecológica:
Redução de 1,5% nas emissões de GEE

4. Consumidores de todos os fabricantes aderem à inovação mais ecológica:
    Redução de 10% nas emissões de GEE

No fim das contas, no cenário ideal, com diferentes marcas e consumidores aderindo à embalagem mais ecológica, que emite menos GEE, o handprint total seria de 68,5 milhões de toneladas de CO2-eq (contra apenas 0,5 milhões de toneladas deixando de ser emitidas caso somente a fabricante original das embalagens aderisse).

Além das conclusões quantitativas, o estudo evidencia uma premissa fundamental no conceito de handprint: os agentes de impacto positivo não são os produtos ou inovações em si, mas, sim, os que fazem uso destes recursos, sejam eles indivíduos ou organizações.

Ao concluir o estudo, os autores declararam que os resultados mostraram como empresas podem usar handprints para divulgar reduções de pegada de carbono criadas por meio da ecoinovação de produtos e que essas reduções podem se estender para fora do ambiente que gera a inovação. Essas informações podem apoiar a tomada de decisão das empresas para que escolham soluções contabilizando ambientalmente sua cadeia de valor e os mercados externos.”

E complementam o raciocínio dizendo que:

“Esta pesquisa expande a forma de pensar as mudanças climáticas como um problema apenas de mitigação e busca soluções tanto nas empresas quanto nas mudanças de comportamento dos consumidores.”

E como é possível gerar handprints?

O Carbon Handprint Guide menciona algumas maneiras de obter handprints. Elas podem ser realizadas isoladamente ou em conjunto:

Uso de materiais

  • Substituição de materiais não renováveis;
  • Substituição de materiais que emitem muito GEE em sua fabricação;
  • Aumento na eficiência do uso de materiais.

Uso de energia

  • Substituição de energias não renováveis ou que emitem muito GEE para serem obtidas;
  • Diminuição no uso de combustíveis;
  • Melhorias em eficiência energética.

Vida útil e desempenho

  • Prolongamento da vida útil de produtos;
  • Melhorias no desempenho de produtos.

Desperdício

  • Redução de descartes e perdas;
  • Reciclagem, reuso e remanufatura

Captura e armazenamento de carbono

  • Mudanças no uso da terra para armazenar GEE;
  • Remoção de carbono em biomassa;
  • Armazenamento de carbono em produtos

Basta apenas produzir handprint?

Definitivamente, promover handprints é fundamental para estabelecer a sustentabilidade em instituições e comunidades, mas comunicar o que está sendo feito também é importante. Ainda de acordo com o Carbon Handprint Guide, além dos benefícios socioambientais, divulgar os handprints é positivo também para:

  • Ações de marketing e comunicação;
  • Informar e aconselhar os tomadores de decisão e outras partes interessadas;
  • Identificar oportunidades para melhorar o desempenho climático de outros produtos.

Autores: Tiago Jokura (Net Zero), Jasmina Bureka, Christian Bauer, Randolph Kirchainb, Elizabeth Moore, Jeremy Gregory e Gregory Norris

 

leia-integra