BIBLIOTECA

Aplicação da água residuária tratada e de adubação com lodo de esgoto na cultura do crambe

Resumo: O uso de efluente de esgoto tratado e de lodo de esgoto compostado representam uma boa oportunidade para o setor agrícola de suprimento hídrico e nutricional às plantas, além da agricultura ser um destino adequado, seguro e benéfico desses resíduos quando corretamente manejados. Assim, objetivou-se com esse estudo avaliar o efeito da água residuária tratada e do lodo de esgoto compostado como substituto parcial, total e em doses superiores à adubação nitrogenada convencional, no solo e na cultura do crambe. O experimento foi conduzido em ambiente protegido em vasos de PVC com volume útil de 45,5 L, no Departamento de Solos e Recursos Ambientais, pertencente à Faculdade de Ciências Agronômicas da Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” (FCA/UNESP), Botucatu/SP, no período de julho à outubro de 2015. Foi utilizado um delineamento inteiramente casualizado em arranjo de parcelas subdivididas; nas parcelas foram empregados dois tipos de água para irrigação, água potável e efluente de esgoto tratado, e nas subparcelas sete níveis de adubação nitrogenada, totalizando quatorze tratamentos com dez repetições. Os tratamentos dentro de cada parcela são representados por: T0 – sem adubação nitrogenada; T1 – 100% de adubação nitrogenada mineral; T2 – 50% de adubação nitrogenada mineral + 50% adubação nitrogenada proveniente do lodo de esgoto compostado; e T3, T4, T5 e T6 correspondem à 100%, 150%, 200% e 250% da adubação nitrogenada proveniente do lodo de esgoto compostado, respectivamente. Os dados relativos às variáveis estudadas foram analisados estatisticamente por meio do software SISVAR e submetidos à análise de variância à 5% de probabilidade, sendo as médias comparadas pelo teste de Tukey a 5% de significância. Optou-se por refazer a análise estatística dos tratamentos que receberam somente lodo de esgoto compostado, adotando-se a análise de regressão. O uso de efluente de esgoto tratado proporcionou incremento dos componentes desenvolvimento, rendimento e teor de óleo da semente. A substituição da adubação nitrogenada convencional pela adubação via lodo de esgoto compostado elevou o rendimento de grãos-planta, com melhor rendimento proporcionado pela dose máxima de N aplicada via lodo de esgoto compostado. O aumento das doses de lodo de esgoto no solo elevou o pH, a CTC, SB, V%, os teores de matéria orgânica, P, K, Ca, S, B, Cu, Fe, Mn e Zn, e o uso de efluente de esgoto tratado os teores de Mg, S e Mn.

Introdução: A irrigação é o setor que mais impõem pressão sobre os recursos hídricos, tendo a responsabilidade por cerca de 70% da exploração de água doce no mundo, quantia que tende a aumentar. Estimativas de crescimento populacional resultam na expectativa de aumento da demanda por alimentos, o que exigirá uma intensificação da produtividade agrícola e do uso da água (UNESCO, 2012). Com o aumento da população há o aumento do consumo de água nos grandes centros urbanos também, gerando consequentemente o aumento no volume dos efluentes domésticos, responsáveis por relevante parte da poluição dos recursos hídricos superficiais quando não previamente tratados. A quantidade e qualidade dos recursos hídricos tem diminuído devido ao crescimento contínuo da demanda de água, devido a sua contaminação e degradação de suas reservas; um reflexo do mau gerenciamento desse recurso imprescindível à vida e ao desenvolvimento socioeconômico de qualquer país. A preocupação com a saúde humana e ambiental, e a necessidade de alternativas viáveis de aumento da oferta de água para usos múltiplos, faz com que o reaproveitamento de efluentes de esgoto tratado no setor agrícola se destaque entre as possibilidades, posto seu potencial como fonte de água e nutrientes, tornando disponível ao solo e às plantas teores consideráveis de N e P. Assim, a agricultura tornase um meio de descarte adequado, seguro e benéfico das águas residuárias tratadas. Os níveis necessários de depuração do efluente, são estabelecidos por fatores como a qualidade da água, e a finalidade do reúso (HESPANHOL, 2002), processo que gerará um resíduo secundário denominado lodo de esgoto. A disposição final do lodo de esgoto se mostra tão importante quanto seu tratamento, e dentre as possibilidades, o seu uso para fins agrícolas e florestais apresentam-se como alternativas mais pertinentes. Suas características o torna um potencial insumo agrícola, aconselhando-se seu uso como condicionador do solo e/ou fertilizante (BETTIOL; CAMARGO, 2006); pois mesmo que sua composição varie de acordo com sua procedência e método de tratamento, de maneira geral, o lodo de esgoto contêm alta concentração de matéria orgânica, N, P e micronutrientes. A utilização desse subproduto no campo pode ser impossibilitada pela presença de patógenos e altas concentrações de metais pesados em sua composição. Em experimento conduzido em ambiente protegido, trabalhando com resíduos sólidos orgânicos urbanos e níveis de irrigação no cultivo do crambe, Franco (2013) verificou que o uso desse subproduto compostado no solo promoveu entre outros benefícios o aumento nos valores de matéria orgânica, P, K, Ca e Mg, as plantas respondendo em crescimento e em produção. Nessa conjuntura, objetivou-se com este trabalho avaliar os efeitos da irrigação com efluente de esgoto tratado e diferentes níveis de adubação com lodo de esgoto tratado, como substituto parcial, total e em doses superiores à adubação nitrogenada convencional, na fertilidade do solo e na cultura do crambe.

Autora: Isabela Seixo de Brito Louzada.

Leia o estudo completo: aplicacao-da-agua-residuaria-tratada-e-de-adubacao-com-lodo-de-esgoto-na-cultura-do-crambe