Notícias

A Agência de Proteção Ambiental dos Estados Unidos/EUA (EPA) diz que é necessário reutilizar efluentes

É muito mais econômico do que encontrar novas fontes

agencia-protecao-ambiental-eua-efluentes

Estação de Tratamento de Água (ETA) / Imagem: Getty Images.

Em 10 de setembro de 2019, no 34º Simpósio Anual WateReuse em San Diego (EUA), a Agência de Proteção Ambiental (EPA) dos EUA anunciou um projeto de Plano Nacional de Ação de Reutilização de Água para consulta pública, contendo 46 ações propostas, a serem realizadas por instituições federais, estaduais, partes interessadas privadas, a fim de promover 10 objetivos estratégicos.

Para muitos no setor de água, esse foi um reconhecimento bem-vindo, uma validação se você preferir, de um novo movimento e conjunto de práticas e tecnologias que terão impacto sobre a água potável, energia, agricultura e a indústria em todo o país. Tudo isso contribui para o chamado reúso de água, a descoberta de “água encontrada” nos efluentes de uma comunidade, convertida em recurso valioso. Coletivamente, essas novas abordagens desconstroem a própria ideia de “efluentes”. Isso mudou, agora somente há água desperdiçada.

Cartilha sobre reúso de água 

Uma cartilha publicada pela American Water Works Association (AWWA) em 2016 fornece algumas definições úteis.

”O reúso de água envolve o uso de água mais de uma vez para expandir o abastecimento de água disponível de uma comunidade”.

O reúso não potável refere-se à água que não é usada para beber, mas é segura para fins como irrigação, incluindo campos de golfe e gramados, ou processos industriais. Reúso potável “refere-se à água reciclada ou recuperada que é segura para beber.” O reúso potável indireto introduz água purificada em uma zona de amortecimento ambiental (buffer), como aquífero, reservatório ou lago antes que a água misturada seja introduzida em um sistema de abastecimento de água.

Reúso potável

Finalmente, o reúso potável direto “introduz a água purificada diretamente em um sistema de abastecimento de água existente”.

Essa é a fronteira final do reúso da água e está apenas começando a ser contemplada nos Estados Unidos.

O reúso de água é local, sustentável e econômico, porque os efluentes estão disponíveis mesmo durante condições de seca e causam menos danos ao meio ambiente do que outras soluções de abastecimento de água, como barragens, reservatórios e canais.

Dados de capacidade de reúso nos Estados Unidos 

Segundo a Bluefield Research, a capacidade atual de reúso nos Estados Unidos deve aumentar em 37% até 2027. As aplicações industriais crescerão 31% no mesmo ano. Os EUA já são o maior mercado de reutilização em volume, com um crescimento futuro projetado além desses dados.

Além dos esforços recentes da EPA, o desenvolvimento do reúso de água tem sido um processo de crescimento sustentado e evolução avaliados, ocorrendo durante anos, com o devido respeito à saúde humana e ao meio ambiente. Agências Reguladoras Estaduais, companhias de serviços públicos e órgãos privados de padronização, como a AWWA, estão trabalhando há muito tempo. Considere o caso do Distrito de Orange County Water, na Califórnia. Fornece água potável para 2,5 milhões de pessoas em uma região com menos de 381 mm de precipitação por ano, como comparação na cidade de São Paulo, a média é de 1616 mm (Instituto Nacional de Meteorologia, INMET).

agencia-protecao-ambiental-eua-efluentes

Imagem: Groundwater Replenishment System – Orange County, Califórnia (EUA).

Groundwater Replenishment System – maior projeto do mundo 

Em 2018, o Distrito comemorou o décimo aniversário do Groundwater Replenishment System, o maior projeto de reúso de água potável do mundo. São necessários efluentes tratados que, de outra forma, fluiriam para o mar e os submetem à purificação avançada utilizando microfiltração, osmose reversa e luz ultravioleta com peróxido de hidrogênio. Aproximadamente um terço dessa água é injetada como uma barreira da intrusão marinha (penetração da água salgada do mar na zona de água doce do aquífero) ao longo da costa e o restante é bombeado para recarregar as bacias a 27 quilômetros de distância. Essa é uma nova fonte de abastecimento de água para os aquíferos, produzindo 378 milhões de litros diariamente, ou 378.000 m3 / dia de água e 30% do suprimento da bacia.

A companhia de saneamento Orange County Water District começa com efluentes tratados e serve água purificada. Ela bombeia essa água para um aquífero, percolando por um ano através da areia, cascalho e argila antes do consumo como água potável. A água tratada avançada é mais limpa do que a água subterrânea na qual é injetada.


LEIA TAMBÉM: TECNOLOGIA CEARENSE PRODUZ ENERGIA ELÉTRICA A PARTIR DO ESGOTO CAPAZ DE CARREGAR CELULARES.


Informações sobre o projeto SWIFT

No leste da Virgínia, a companhia de saneamento Hampton Roads Sanitation District (HRSD), atendendo 1,7 milhão de pessoas com mais de 7995 km2, estabeleceu sua Sustainable Water Initiative for Tomorrow (SWIFT) com a abertura do SWIFT Research Center. O centro reabastece o Aquífero Potomac, com 3.780 000 litros por dia de efluente da estação de tratamento nas proximidades, adicionando tratamento avançado (biofiltração de ozônio com adsorção em carvão ativado granular) atendendo aos padrões da Safe Drinking Water Act e não apenas aos padrões de qualidade da água da Clean Water Act.

Por fim, o centro de pesquisa fornecerá dados para informar a permissão e o projeto de implementação em larga escala em cinco instalações em toda a região. Essas novas instalações prontas para reúso terão uma capacidade combinada superior a 378.000 m3 de água por dia até 2030. E as descargas de nutrientes na Baía de Chesapeake serão reduzidas em aproximadamente 90% dos requisitos atuais. A subsidência do solo, responsável por aproximadamente 25% do aumento líquido do nível do mar, também será reduzida, mesmo revertida na região se a modelagem estiver correta.

Plano de ação da EPA 

E sobre o novo plano de ação da EPA? Como a EPA concilia seu papel como mediador e regulador idôneo, de acordo com os estatutos ambientais aplicáveis, com o de promotor de um determinado conjunto de práticas e tecnologias usadas pelas concessionárias de água e esgoto, além de preocupações industriais e de energia? Essas são questões importantes que a AWWA e outras partes interessadas tentarão abordar durante o período de consultas públicas. Uma recomendação preocupante, entre muitas boas, é o estabelecimento de metas para o reúso de água. Isso parece problemático, dado o papel da EPA como protetora da saúde pública.

Manter a integridade da EPA é importante para o crescimento a longo prazo do reúso potável, especialmente o reúso direto, se quisermos manter a confiança e a fé do público nessas novas e promissoras maneiras de encontrar mais água em nosso meio ambiente.

agencia-protecao-ambiental-eua-efluentes

 

Referência: G. Tracy Mehan, Scientific American

Adaptado por Portal Tratamento de Água

Traduzido por Gheorge Patrick Iwaki


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *