BIBLIOTECA

Uso do bioensaio com Allium cepa L. e análises físico-químicas e microbiológicas para avaliação da qualidade do Rio da Ilha, RS, Brasil

Resumo: O estudo avalia a toxicidade, citotoxicidade, genotoxicidade e análises físico-químicas e microbiológicas de amostras de águas coletadas em dois pontos (nascente e foz) do Rio da Ilha – um dos principais afluentes do Rio dos Sinos, RS, Brasil – em dois períodos: inverno (2014) e verão (2015), através do bioensaio com Allium cepa que fornece esses dados através da mensuração das raízes dos bulbos, índice mitótico e presença de aberrações cromossômicas. Os resultados demonstraram níveis de citotoxicidade principalmente na foz do rio, e alguns parâmetros (DBO5 , fósforo, alumínio, chumbo, ferro, níquel e coliformes termotolerantes) acima da legislação estabelecida, mesmo a região sofrendo pouco impacto de origem antrópica.

Introdução: A água representa o principal constituinte de todos os organismos vivos, no entanto, o crescimento populacional associado à intensa utilização de água acarreta na geração de fontes poluidoras (Santos e Mohr 2013), como principalmente o lançamento indiscriminado de esgotos domésticos, controle inadequado dos efluentes industriais e práticas agrícolas errôneas (Morães e Jordão 2002). Cabe ressaltar também, que o uso e manejo do solo em áreas agrícolas acarretam em alterações na qualidade das águas superficiais (Andrade et al. 2007). Feitosa e Manoel Filho (2000) relatam que nessas situações, o uso de fertilizantes e pesticidas constituem os principais contaminantes. Frente à intensa poluição dos corpos hídricos buscam-se estratégias eficazes para a identificação do quão poluídos estão os rios (Almeida e Schwarzbold 2003), visto que estes são unidades fundamentais das bacias hidrográficas e ecossistemas contínuos que interagem com os terrestres adjacentes, de tal maneira que as características físicas e químicas das águas estão diretamente relacionadas às áreas drenadas (Payne 1986). Um controle ineficiente na qualidade e tratamento das águas pode acarretar em vários problemas relacionados à saúde da população (Santos e Mohr 2013). A Bacia Hidrográfica do Rio dos Sinos está localizada a nordeste do Estado do Rio Grande do Sul, entre as coordenadas geográficas de 29° 20’ a 30° 10’ de latitude Sul e de 50° 15’ a 51° 20’ de longitude Oeste (Fundação Estadual de Proteção Ambietal – FEPAM 2009), sendo um dos rios mais impactados da bacia do Guaíba e do Brasil (Fontanella et al. 2008; Rechenmacher 2010). O Rio da Ilha é um dos principais afluentes do Rio dos Sinos, estando localizado no trecho médio da bacia, no município de Taquara, e sendo caracterizado por baixa densidade populacional, uso do solo predominantemente rural com pequenas propriedades, drenando uma área de 318 km², que representa 8,6 % da bacia. As análises físico-químicas e microbiológicas determinam características necessárias para o monitoramento ambiental (Santos e Mohr 2013). No entanto, além dessas análises, a utilização integrada a outros testes como bioensaios, pode fornecer dados mais precisos sobre os efeitos tóxicos dos contaminantes na biota aquática e possibilitar a aplicação precoce de medidas para a preservação do ambiente dos organismos que nele vivem (Lacerda 2009). O teste de toxicidade com a espécie Allium cepa L. foi introduzido por Levan em 1938 (Fiskesjö 1985), e tem sido utilizado como ferramenta para o biomonitoramento ambiental (Leme e Marin-Morales 2009). O teste apresenta uma correlação de 82 % com testes de carcinogenicidade em roedores devido à sua alta sensibilidade (Leme e Marin-Morales 2007), e superioridade em relação a outros organismos teste (Arraes e Longhin 2012). O seu número reduzido de cromossomos de grande tamanho (2n=16) e muitas células em divisão (Ateeq et al. 2002) facilitam a observação de mutações resultantes da ação de compostos químicos, ambientais e radioativos, que também podem alterar o ciclo celular (Vieira e Vicentini 1997). Neste contexto, o objetivo do estudo foi avaliar a qualidade da água do Rio da Ilha através do bioensaio com A. cepa e análises físicoquímicas e microbiologias da água em duas estações do ano (inverno e verão) a fim de verificar o potencial tóxico, citotóxico e genotó- xico de substâncias presentes na água.

Autores: Zimmermann Prado Rodrigues, Gabriela; Dalzochio, Thaís e Gehlen, Günther.

Leia o estudo completo: uso-do-bioensaio-com-allium-cepa-l-e-analises-fisico-quimicas-e-microbiologicas-para-avaliacao-da-qualidade-do-rio-da-ilha-rs-brasil