BIBLIOTECA

Revitalização de corpos d’água com o uso da biorremediação

Resumo

Água é a principal e essencial fonte de vida, indispensável para há vida como compreendemos, com está mentalidade de preservação da vida e das águas, métodos como biorremediação foram desenvolvidas para tratar algumas dessas fontes de vida ou tratar contaminações nas massas de água. O objetivo deste trabalho foi revitalizar a massa d’agua presente no interior do Zoológico Município de Guarulhos – SP, por meio de técnicas de Biorremediação. Para alcançar os objetivos propostos foi realizados métodos de biorremediação mediante, bioaumentação por meio de um misto de bactérias heterotróficas, bolores e leveduras e bioestimulação por equipamentos do laboratório. As coletas obedeceram aos parâmetros de preservação e transporte, estabelecidos pela Agência Nacional de Águas. Foram analisadas as variáveis; condutividade elétrica (CE), clorofila a (CL), coliformes termotolerantes (CF), demanda bioquímica de oxigênio (DBO), nitrogênio total (NT), oxigênio dissolvido (OD), pH, Fósforo total (PT), sólidos totais (ST), temperatura (T) e Turbidez (TU). Foram calculados o índice de qualidade das águas (IQA) e do índice do estado estrófico (IET). O tratamento foi feito por 7 dias na Incubadora a 30ºC/ 135 rpm. Dentre os métodos avaliados tanto a bioaumentação como a biorremediação com um produto comercial (composto por bactérias heterotróficas, bolores e leveduras, bactérias anaeróbicas facultativas) não apresentou efeito sobre a eutrofização e qualidade geral das águas do lago estudado, nas condições estudadas. Novos estudos com diferentes biorremediadores devem ser realizados a fim de solucionar o problema de lagos urbanos eutrofizados.

Introdução

Água é a principal e essencial fonte de vida, indispensável para há vida como compreendemos, no Brasil é supervisionada pela Agência Nacional de Águas (ANA), através de diversos bancos de dados como o Sistema Nacional de Informações sobre Recursos Hídricos (SNIRH) e metodologia de análises (ANA, 2019).

A World Health Organization (WHO, 2019 n.p.) define água como; “essencial para a vida. A quantidade de água doce na terra é limitada e sua qualidade está sob pressão constante. Preservar a qualidade da água doce é importante para o abastecimento de água potável, produção de alimentos e uso recreativo da água. A qualidade da água pode ser comprometida pela presença de agentes infecciosos, produtos químicos tóxicos e riscos radiológicos”.

Com este foco, pesquisas e projetos como o desenvolvido pela Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) junto a Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC (UFSC, 2019), tem destaque na área de Preservação ambiental, por meio de um projeto de “tecnologias sociais para a gestão da água” visando ressaltar o uso consciente das bacias hidrográficas de sua região. Assim como pesquisas de, “Síntese e caracterização de nanopartículas de ferro-zero valente (nzvi) aplicadas ao tratamento de águas contaminadas com 4-clorofenol” (DUTRA, 2015).

O que acaba chamando mais a atenção são eventos como o dia da “Sobrecarga da terra” (WWF, 2019), que demonstram que com o passar dos anos utilizamos o planeta mais rápido do que o mesmo se regenera, em 2019, por meio do cálculo da Pegada Ecológica brasileira, é esperado que consumiremos 1,6 planetas em recursos, causados pela abordagem e condutas das pessoas.

Por conta disso, pesquisas que visam o cuidado com o meio ambiente, especificamente como esse trabalho que visa tratamento de água, se tornam essencial para proporcionar um cuidado melhor com a natureza. Para esse objetivo foi abortado a biorremediação, desenvolvida a partir da biotecnologia, que utiliza microrganismos de uma ou diversas classes, para degradar e proporcionar uma revitalização ambiental (DA SILVEIRA; TATTO; MANDAI, 2016, 2016).

Autores: Luís Henrique Nunes de Souza e Regina Oliveira Moraes Arruda.

 

leia-integra