BIBLIOTECA

Fontes de inovação em empresas de saneamento básico brasileiras

Resumo

As pesquisas sobre as fontes de inovação em saneamento têm grande relevância acadêmica, pois a comparação entre empresas, setores e países permite a evolução da ciência e tecnologia. A presente pesquisa respondeu a pergunta: Quais as principais fontes de inovação identificadas e os motivos de sua escolha em empresas de saneamento básico brasileiras? Foi realizada uma pesquisa exploratória, com a realização de estudo de caso múltiplos, de abordagem qualitativa, objetivando identificar as principais fontes de inovação e os motivos das escolhas entre cinco empresas de saneamento básico brasileiras. Estas foram selecionadas por conveniência com base no Ranking 1000 da Revista Valor Econômico. Os dados foram levantados por meio de pesquisa documental, questionário fechado e aberto. Como resultado desta pesquisa destaca-se: o aprofundamento da discussão teórica recente relacionada à temática das fontes de inovação nas empresas; a identificação das principais fontes de inovação do setor de saneamento brasileiro como sendo P&D interno, fornecedores e universidades, estabelecendo os motivos de sua escolha, principais vantagens e desvantagens das principais fontes analisadas.

Introdução

A escassez da água, um dos recursos mais abundantes do mundo, põe em risco vários setores como: economia, saúde pública, produção de energia e abastecimento de alimentos. O fenômeno é potencializado pelas mudanças climáticas, colocando pressão sobre administradores de recursos hídricos (KAUR; MAHAJAN, 2016). Em escala global, nas últimas décadas, o crescimento urbano acelerado, a escassez de recursos e a necessidade de gerenciá-los de forma a reduzir as desigualdades no atendimento à população fizeram com que o saneamento básico se tornasse prioridade das políticas públicas (TUROLLA, 2012). Diante de tal cenário, constata-se a necessidade premente das empresas de saneamento proporem novas soluções, baseadas em planejamento, eficiência na gestão e capacidade de investimentos e inovação tecnológica (CARTER; TYRREL; HOWSAM, 1999).

Nesse sentido, a inovação aparece como uma possibilidade para o desenvolvimento e crescimento dessas empresas, que possuem características peculiares: alta concentração de usuários e um mercado restrito segmentado por estados (GAVA; ZILBER, 2014). As empresas de saneamento básico predominantemente possuem gestão pública. A característica das inovações advindas de setores públicos, de uma forma geral, apresenta-se predominantemente por meio de experimentação inovativa, aplicadas perto dos locais onde os serviços são prestados. Assim sendo, um dos grandes desafios na inovação nessas empresas é possibilitar a difusão de experimentos bem-sucedidos (TIDD; BESSANT, 2015).

A participação do segmento privado no saneamento é uma realidade, tendo na cooperação com o setor público uma formulação ideal, objetivando proporcionar soluções necessárias para as demanda atuais e futuras, que poderão traduzir-se em um cenário de condições climáticas mais severas e maiores demandas de abastecimento, em função do crescimento econômico e populacional (TUROLLA, 2012). O desafio, portanto, é a utilização de recursos escassos de forma mais eficaz, ágil e flexível em resposta a um cenário diverso ou novo (TIDD; BESSANT, 2015). O desafio não é gerar riqueza, mas sim agregar valor para o preço pago pela prestação de serviços.

Ressalta-se que as empresas do setor privado competem pela atenção de seus mercados por meio da oferta de novos produtos e pelas novas formas de disponibilizá-los. Dessa forma, o setor público vale-se da inovação para ajudá-las a enfrentar os desafios de prover saúde, educação, segurança, etc. (TIDD; BESSANT, 2015). Sendo assim, a pesquisa tem como tema as fontes de inovação nas empresas de saneamento básico brasileiro, com a expectativa de contribuir para o aprofundamento da discussão teórica recente relacionada ao tema. Nesse sentido, respondendo a pergunta: Quais as principais fontes de inovação identificadas e os motivos de sua escolha em empresas de saneamento básico brasileiras?

Para responder a pergunta é necessário pontuar que saneamento básico é um conjunto de serviços que compreende abastecimento de água, esgotamento sanitário, drenagem pluvial, limpeza urbana e manejo de resíduos sólidos urbanos (BNDES, 2015).

No Brasil tem-se 28 empresas de âmbito estadual, 6 de âmbito regional (atendem mais de um município) e 1408 municipais, totalizando 1442 prestadores de serviços no setor (SNIS, 2015). Quanto à natureza jurídica 902 empresas fazem parte da administração direta, 413 são autarquias, 31 são sociedades de economia mista, 5 são empresas públicas, 89 são empresa privadas e 2 são organizações sociais (SNIS, 2015).

As estratégias de investimentos são caracterizadas pelo aporte de recursos do governo federal. Estados e municípios necessitam desses recursos em desenvolvimento de projetos, obras e serviços e objetivando a cobertura dos sistemas de abastecimento de água e coleta de esgoto, disposição de resíduos sólidos, captação de águas pluviais, saneamento integrado, além da preservação e recuperação de mananciais e elaboração de estudos e projetos que tenham o objetivo de qualificar a gestão da prestação de serviços (LEONETI; PRADO; OLIVEIRA, 2011).

Autor: Marcus Vinicius dos Reis Venditti.