BIBLIOTECA

Ferramenta de auxílio à tomada de decisão para aplicação de método não destrutivo na substituição de rede coletora de esgoto

Resumo: Após acompanhar o procedimento de investigação até a tomada de decisão, entre os tipos de reabilitação na Rede Coletora de Esgoto (RCE) existente na cidade de Stuttgart na Alemanha e de Curitiba no Brasil, verificou-se que a escolha para substituição de redes, entre os possíveis métodos, Métodos Não Destrutivos (MND) e Método Destrutivo (MD), depende das características presentes no trecho em análise e da experiência do engenheiro que o avalia. Com base em entrevistas realizadas em empresas que atuam no mercado curitibano com tecnologias não destrutivas para saneamento, gerou-se uma ferramenta que auxilia a tomada de decisão para substituição de RCE nesta cidade. A ferramenta criada foi uma planilha no software Microsoft Excel®, a qual a partir de dados inseridos pelo usuário, que verifica se a vazão e a declividade atendem às condições impostas em norma, e ao final, origina um ranqueamento dos possíveis métodos de execução, levando em consideração os princípios da sustentabilidade (fatores econômicos, sociais e ambientais).

Introdução: As obras de saneamento básico são aquelas que levam infraestruturas e instalações operacionais ao processo de abastecimento de água potável, esgotamento sanitário, limpeza urbana, manejo de resíduos sólidos, serviço de drenagem e manejo das águas pluviais urbanas. Cada município brasileiro deve criar e aprovar o seu próprio Plano Municipal de Saneamento Básico (PMSB) o qual deve contemplar as diretrizes, as metas de cobertura e de atendimento para os próximos 20 anos para cada um dos serviços acima mencionados (BRASIL, 2007). Grande parte das Redes Coletoras de Esgoto (RCE) com o passar do tempo apresentam problemas de funcionamento necessitando de manutenções constantes. Muitas dessas encontram-se localizadas em áreas da região central da cidade, sendo estas densamente povoadas, pavimentadas e normalmente ocupadas por equipamentos de outras concessionárias como cabo de energia elétrica, cabo telefônico, tubulação de gás natural, cabo de fibra óptica, sistema de controle dos semáforos e interferências decorativas como árvores, ponto de ônibus e placas de identificação e sinalização de trânsito. Com o rápido crescimento da necessidade de substituição e criação de novas linhas e tubulações em áreas urbanizadas com o mínimo de perturbação à superfície, a demanda por tecnologias não destrutivas têm aumentado ao redor do mundo (ZAYED; MAHMOUD, 2013). Devido ao transtorno causado à população, torna-se cada vez mais difícil a liberação e obtenção de alvarás para a reabilitação de redes coletoras de esgoto pelo método de escavação convencional, que apresenta abertura de valas e retirada de pavimentação. É crescente a necessidade de utilização dos Métodos Não Destrutivos (MND) para manter a eficiência e boa imagem da empresa executora perante o poder concedente e à população. Com a utilização do Método Destrutivo (MD), a energia gasta na construção fica concentrada em atividades secundárias como: desvio de rua, gerenciamento do fluxo de tráfico, escavação e escoramento da vala, bombeamento da vala, reaterro e compactação, by-pass com sistema de bombeamento e restauração da superfície. Apenas uma pequena porcentagem da energia gasta é efetivamente focada no produto final que é a instalação do tubo em si (NAJAFI, 2010). As obras pelo método tradicional de abertura de valas a céu aberto ocasionam alto custo social e risco à segurança do público em geral, impacto negativo ao meio ambiente pela necessidade de abertura de valas, possível dano a tubulações, árvores e estruturas já existentes e somada à redução da vida útil do pavimento devido aos serviços (NAJAFI, 2010). Na última década a Prefeitura Municipal de Curitiba somente autoriza a execução de obras de saneamento por meio de tecnologias não derstrutivas, o qual necessita de adequada capacitação dos operadores dos equipamentos e de know how para a aplicação da solução escolhida. Nas áreas centrais da cidade de Curitiba no estado do Paraná – Brasil, grande parte das redes de esgoto existentes são antigas, possuem a vida útil e o estado de conservação comprometida. O Plano Municipal de Saneamento Básico (PMSB) prevê que até o ano de 2026 estas redes coletoras devam ser reabilitadas (PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA, 2013). Nos últimos anos foi observado um crescimento das obras denominadas Melhorias, que são reformas no sistema de esgotamento sanitário existente devido à presença de alguma anormalidade. Desta forma observou-se a necessidade de conhecimento do sistema e um planejamento adequado para a escolha do método de substituição das redes coletoras de esgoto. Mas como saber entre tantos métodos, qual é a melhor solução a ser aplicada para cada caso? Além de adquirir o equipamento e capacitar a mão-de- obra, é necessária realização de um estudo detalhado do trecho a ser trabalhado, o qual contemple o local de aplicação, a quantificação das interferências existentes, o tipo do solo presente, o diâmetro da tubulação existente, o diâmetro do novo tubo. Esta pesquisa apresenta no capítulo 2 fatores relevantes que auxiliam na definição da escolha da solução a ser aplicada. A metodologia, apresentada no capítulo 3 aborda de que forma foi realizada a descrição dos procedimentos de análise do estado da tubulação existente para remanejamento da rede coletora de esgoto nas cidades de Stuttgart e de Curitiba, de que forma foi gerada a limitação das tecnologias disponíveis para substituição de redes em Curitiba e como foi elaborada e aplicada a ferramenta de tomada de decisão. Os resultados e discussão são apresentados no capítulo 4 por meio da aplicação da ferramenta em oito cenários diferentes. O estudo se finaliza no capítulo 5 com as conclusões.

Autora: BÁRBARA CRISTINA SMIDARLE.

Leia o estudo completo: ferramenta-de-auxilio-a-tomada-de-decisao-para-aplicacao-de-metodo-nao-destrutivo-na-substituicao-de-rede-coletora-de-esgoto